domingo, 7 de novembro de 2010

Décimo Primeiro Andar - Parte II

...
O carro a frente acelerou com tal veemência, que cantou pneu. Ela estremeceu. E riu! Novamente, mais uma pegadinha desta noite... E então ela ligou o carro, liberou o freio de mão, engatou a primeira e lá se foi para fora do estacionamento.

Desceu a Rua Augusta, e estava o maior fuzuê: teve jogo do Palmeiras contra o São Paulo, e o Palmeiras ganhou. Paula era Palmeiras, mas estava sem pique para papo de futebol... então subiu a rua novamente e foi dar uma volta pela Paulista, até que resolveu olhar se o shopping estava aberto.
E não é que estava? Ela foi, comeu um lanche natural, não conseguiu fazer compras porque as filas estavam imensas, principalmente das lojas de departamento, e ainda por cima era sábado, para piorar tudo. As amigas tinham viajado na excursão da empresa, para o Nordeste: todos os estados. Mas Paula tinha que terminar o livro e ainda processar os dados dos pagamentos das empresas privadas, algo que ainda não tinha feito e entregue ao chefe. Sim, ela tinha um emprego; era funcionária pública do estado, trabalhava em uma das secretarias do centro adnimistrativo local. E era essa a sua vida.
Resolveu voltar para casa.

...

Chegou na portaria, interfonou.
Ninguém respondeu.
Interfonou novamente, e novamente e mais uma vez; até que cansou e esperou um pouco, porque o porteiro podia muito bem ter ido lá dentro e ter ouvido a campainha... deveria estar a caminho.
Mas nada de abrir o portão.
"Nossa, será que o Everaldo tá cochilando? Não é possível. Dormir em trabalho! Toda vez o Everaldo faz isso agora!"
E abriu a porta do carro com violência, saiu pisando forte no chão já para dizer uns desaforos ao porteiro, quando, checando a guarita pela pequena janela de vidro, pôde ver que ela estava vazia. As câmeras ligadas normalmente, tudo no lugar: menos o porteiro.
Gelou. Como iria entrar em casa agora? E o porteiro, será que sequestraram ele?
Foi então que ela pulou a guarita janela a dentro e apertou o botão que abria o portão que dava acesso ao condomínio. Estava saindo quando, deu meia volta para verificar um detalhe que lhe chamou atenção.
Tinha cacos de vidro e respingos de sangue no chão.
Então começou a encaixar as coisas. Ela não lembrou de ter precisado quebrar janela alguma para ter acesso a guarita: Ela estava sem os vidros. Logo, alguém teve essa ideia de invasão antes dela. Alguém quebrara o vidro e entrara na guarita, e tinha feito algo muito estranho e/ou ruim, porque o Sr. Everaldo não estava mais no seu posto, como de costume...
Então teve a mirabolante ideia: voltar o filme de segurança do dia, para ver o que tinha acontecido!

Ficou estarrecida.
Há exatamente três horas atrás, no momento em que ela havia deixado o condomínio, tinha um carro parado na entrada do mesmo. Ela se viu dentro do próprio carro, passando e indo pista adiante, porém o carro misterioso, continuou parado. Ela pausou. Olhou a placa.
Arregalou os olhos diante do que viu: era o mesmo carro que havia acendido os faróis e acelerado estranha e subitamente mais cedo! Ele veio em direção a guarita, uma pessoa saiu do carro.
Demorou trinta minutos sem nada acontecer... até que a mesma pessoa voltou, estrou no carro, e ENTROU NO CONDOMÍNIO!

O que fazer agora?
Entrar ou chamar a polícia? Seria mesmo algum criminoso, seria algum parente do porteiro? Seria algum morador que estava dando socorro ao porteiro? Teria acontecido algo ao Everaldo, e essa pessoa foi salvá-lo ou... será que estavam tentando invadir o último prédio da última rua, no último apartamento do corredor, no décimo primeiro andar?

Engoliu em seco.

Caminhou em direção ao carro, acelerou adiante.
Começou a fazer suas teorias. Estava certa de que algo não muito bom estava para abalar a tão tranquila vida que tinha conseguido manter durante algum tempo.

_________________________________________________________

Continua...

7 comentários:

'Lara Mello disse...

Tô acompanhando, viu! E tô gostando..Sou de Salvador sim, fiz no Landufo Alves..Bju!

'Lara Mello disse...

Que nada..Meu blog é super depressivo tb..Quando bate a tristeza ninguém segura, tanto que meu apelido na blogosfera e "Doida e depressiva"..No começo só falava tristezas..Agora eu consigo rii das minhas miserias..É um prazer ter você por lá..Tô amando seus comentários..Parece que é tão nove, mas entende das coisas! Bju

Alice Ribeiro disse...

obg, to seguindo tbm :]
legal aqi ;D

Leo disse...

Oi Natalie!

Subi na moto e estou seguindo.
já louco pra ver a próxima parte do texto, to aqui tenso imaginando como continua. rs

Um Beijao!!

ariiadne veloso; disse...

minha preta , to acompanhando , não pare de postar , to curiosa DDD: KKKKKKKK , você sempre , eu adooro seu blog e não é de hoje !
beeijos beijos :* s2

Diário de Marcella disse...

Obrigada pela visita em meu blog (:

Gostei muito do seu (:
Seguindo... (:

Beeijos,
Marcella.

Érika Oliveira disse...

Tô acompanhando e achando muito bom ;]